Infarto: quais são as causas e sintomas?

É comum associarmos o infarto a uma forte dor no peito. Porém, esse sintoma, apesar de ser o mais comum, não é o único e pode não estar presente em alguns casos. 

Pensando nisso e na importância de ter informações corretas sobre o infarto para assim aumentar as chances de sobrevivência, elaboramos este novo conteúdo. 

Confira e saiba mais sobre esse problemas de saúde que mata milhares de pessoas todos os anos no país. 

O que é e quais os sintomas do infarto

O infarto do miocárdio, infarto agudo do miocárdio ou apenas infarto acontece devido a acumulação de camadas de gordura dentro das paredes de uma artéria coronária. 

Com isso, cria-se uma barreira que impede a circulação sanguínea de forma adequada e o sangue não consegue chegar naquela parte do coração na quantidade necessária. 

Assim, essa parte do coração que não recebe sangue suficiente, passa a sofrer um processo gradual de morte celular. Isso gera necrose e pode levar à insuficiência cardíaca ou até mesmo à morte súbita. 

Como cada organismos é único, os sintomas podem variar bastante, mas geralmente são os seguintes:

  • Dor no peito, sensação de aperto, de pressão muito forte, como se houvesse um peso sobre a região. Sintoma comum, principalmente nos homens, e pode se estender pelos braços, pescoço e coluna em alguns casos.
  • Tosse contínua e às vezes com presença de sangue. 
  • Suor frio de forma repentina, como se você estivesse praticando uma atividade física intensa, mesmo em repouso e em dia com temperaturas amenas. 

Nas mulheres, os sintomas costumam ser um pouco diferente, como por exemplo: 

  • Cansaço extremo, constante e sem explicação.
  • Náuseas e dores na boca do estômago

As causas do infarto

Os fatores de risco que podem levar a um infarto são de dois tipos: aqueles que podem ser alterados, como os hábitos de vida de uma pessoa e aqueles que não podem ser modificados, tais como idade, gênero, histórico familiar e raça.

As mulheres, por exemplo, têm fatores de risco próprios, como por exemplo a menopausa precoce, a diabetes gestacional e o uso prolongado de anticoncepcionais hormonais.

Mas, voltando aos hábitos de vida, aqueles que podem colaborar para o entupimento arterial são:  

  • Álcool: estudos da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, mostram que o consumo de álcool pode aumentar em até 40% o risco de infarto. E até mesmo o consumo moderado da substância está diretamente ligado a danos no coração, como fibrilação atrial. 
  • Tabagismo: ele é um fator de risco pois algumas de suas substâncias fazem com que seja mais fácil que placas de gordura se acumulem nas paredes dos vasos e também faz com que seja mais rápida a formação de coágulos. 
  • Obesidade: em pessoas com sobrepeso excessivo, o coração tem um trabalho muito maior para conseguir bombear o sangue. No mais, o aumento de gordura no sangue facilita o acúmulo da mesma nas paredes dos vasos, causando entupimentos e impedindo o sangue de circular livremente. 

Além desses fatores,  a diabetes, o sedentarismo, o colesterol alto e o estresse são também fatores de risco para o infarto. 

Como prevenir o infarto

Seguem abaixo algumas dicas úteis que vão te ajudar a prevenir um infarto: 

Alimentação

Uma alimentação balanceada com muitos vegetais, proteínas e carboidratos e pouca gordura é fundamental para se ter um coração saudável. 

Exercício físico

Fazer atividades físicas por pelo menos 30 minutos diariamente é outro passo fundamental quando se tem como objetivo cuidar do coração.

 Os exercícios são importantes para ganho da resistência, fortalecimento dos músculos, queima de gordura e aumento dos níveis de hormônios que trazem sensação de felicidade e prazer. 

Fuja das drogas lícitas

Fique longe do alcool e do tabaco. Como já foi dito, esses são fatores de risco para o infarto. 

Gostou? Agora que você já sabe um pouco mais sobre o infarto, suas causas e sintomas, confira nosso artigo O que fazer quando a pressão está alta?

Aqui você encontra artigos sobre hipertensão, além de indicações dos melhores produtos para melhorar a sua qualidade de vida e também dicas para prevenção desta e outras patologias relacionadas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *